domingo, julho 3, 2022

Latest Posts

Valor de exportações baianas em março é recorde na série histórica

As exportações baianas registraram US$ 974,3 milhões em março, melhor resultado para o mês da série histórica iniciada em 1998, superando em 37,3% o valor registrado em março de 2021. As informações foram analisadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia vinculada à Secretaria de Planejamento (Seplan).

Boa parte do bom desempenho das vendas ao exterior no mês passado pode ser explicada pelo volume expressivo de embarques de derivados de petróleo (alta de 172,8%, comparadas a março do ano passado), como também pelo efeito preço desses produtos no mercado internacional – crescimento médio de 42,6%, decorrente do salto das cotações após o conflito na Ucrânia. Esse ambiente favorável levou as receitas do segmento a terem um incremento de 289,1%, na comparação interanual.

No acumulado do primeiro trimestre, a Bahia registrou US$ 2,51 bilhões em exportações, superior em 41% igual período do ano anterior. Já as importações somaram US$ 2,83 bilhões, 66,4% acima do registrado até março de 2021, com destaque para os desembarques de combustíveis que cresceram 279,4% na comparação interanual. Esse crescimento maior das importações no período fez com que a balança comercial do estado acumulasse um déficit de US$ 506,7 milhões no trimestre.

Em março, as exportações agropecuárias alcançaram US$ 347 milhões e cresceram 52,6%, principalmente de soja que teve embarques mais robustos (alta de 67,2%), por causa do tempo da safra, plantada e colhida mais cedo em relação ao ano passado. As vendas da indústria de transformação alcançaram US$ 544 milhões e incremento de 43,2%, puxadas pela indústria do refino. Já a indústria extrativa, por sua vez, teve vendas de US$ 79 milhões, com recuo de 20,3% no mês comparados a março de 2021.

O conflito no Leste Europeu pode desacelerar o crescimento global, com impacto no comércio internacional. Além disso, deve aumentar os preços dos combustíveis e das commodities, como já demonstram os dados mensais de março. De um lado, isso prejudica a Bahia, que importa combustível, mas o favorece de outro, por conta da importância das commodities na pauta de exportações do estado, bem como também na exportação de derivados de petróleo.

Importações

Com a explosão de preços na importação, o crescimento das compras externas baianas em março alcançou 29,4% a US$ 792,9 milhões. No primeiro trimestre, as importações atingiram US$ 2,83 bilhões, superior ao valor alcançado pelas exportações, tendo um incremento de 66,4%, sempre na comparação interanual.

Importações puxadas mais por preços do que volumes fazem parte do cenário esperado para 2022. A guerra, porém, conforme sua duração pode intensificar o ritmo de alta de preços nos desembarques, acumulando-se aos efeitos da inflação global resultante dos gargalos logísticos e do descompasso entre oferta e demanda anteriores ao conflito.

Apesar do crescimento do quantum no total do trimestre em 23,5%, já houve em março, um refluxo no volume total desembarcado de 15,3%, por conta do fraco ritmo da atividade econômica – queda de 36,2% na compra de bens intermediários e de 16,6% nas de bens de capital. Entretanto, o efeito preço empurrou as despesas em 29,4% no mês passado.

Os desembarques de combustíveis no mês, cresceram tanto em volume com em valor atingindo US$ 545 milhões e incremento de 120,7% (gás, nafta, petróleo, querosene e óleo diesel), comparado a março de 2021. Corroborando os temores do agronegócio sobre a oferta de fertilizantes, houve queda no volume de compras em março em 31%, inclusive os procedentes da Rússia (-42,6%). O valor total desembolsado, entretanto, cresceu 40,4%, o que traduz um aumento de preços médios na ordem de 103,2% comparando-se às compras de março do ano passado.

Fonte: Ascom/SEI

Latest Posts

spot_imgspot_img

Don't Miss

Stay in touch

To be updated with all the latest news, offers and special announcements.